ALTANGRAM - PINTURA - ESCULTURA - FOTOGRAFIA

Contactos

Albuquerque e Lima Lda
Rua Gil Vicente 86A
3000/202 Coimbra

239703359/ 917766093

mamede.albuquerque@gmail.com

Atón - Solar creator god

 

Atón - Solar creator god

STONE
autor: amamede
42x19x9cm
Base - 15 cm de diametro

 

Aton, also spelled Aten,  Akhenaton: Akhenaton, Nefertiti, and three daughters [Credit: Foto Marburg/Art Resource, New York]in ancient Egyptian religion, a sun god, depicted as the solar disk emitting rays terminating in human hands, whose worship briefly was the state religion. The pharaoh Akhenaton (reigned 1353–36 bce) returned to supremacy of the sun god, with the startling innovation that the Aton was to be the only god (see Re). To remove himself from the preeminent cult of Amon-Re at ThebesAkhenaton built the city Akhetaton (now Tell el-Amarna) as the centre for the Aton’s worship.

The most important surviving document of the new religion is the Aton Hymn, which was inscribed in several versions in the tombs of Akhetaton. Like some other hymns of its period, the text focuses on the world of nature and the god’s beneficent provision for it.

Faraó Aquenáton adorando Aton, o disco solar.

História do Atonismo

Amenófis IV introduziu o atonismo no quinto ano do seu reinado (1348-1346 a.C.), elevando o Aton com o estatuto de deus supremo, depois de ter inicialmente permitido a adoração continuada dos deuses tradicionais. Para enfatizar a mudança, o nome de Aton foi escrito na forma de cartela normalmente reservado para faraós, uma inovação do atonismo. Esta reforma religiosa parece coincidir com o anúncio de uma festa Heb-Sed, uma espécie de jubileu real destinado a reforçar os poderes divinos do faraó. Tradicionalmente realizada no trigésimo ano do reinado do faraó, este possivelmente era um festival em honra do faraó Amenófis III, que alguns egiptologistas acham que tinha uma co-regência com seu filho, Amenófis IV, de dois a 12 anos.

No 5º ano marca o início da construção de uma nova capital, Aquetaton (Horizonte de Aton), atualmente conhecida como Amarna. Evidência disso aparece em três das estelas de fronteira usadas para marcar os limites da nova capital. Neste momento, Amenófis IV mudou oficialmente seu nome para Aquenáton (filho de Aton) como prova de seu novo culto. A data prevista para o evento foi estimado a cair em torno de 02 de janeiro desse ano. No 7 º ano de seu reinado (1346/1344 a.C.), a capital foi transferida de Tebas para Akhetaton (atual Amarna), embora a construção da cidade parece ter continuado por mais dois anos. Ao mudar a sua corte dos tradicionais centros cerimoniais, Aquenáton estava sinalizando uma transformação radical no foco do poder religioso e político.

O movimento do faraó e de sua corte a partir da influência do sacerdócio e dos centros tradicionais de culto, mas o decreto tinha um significado religioso mais profundo demais, tomadas em conjunto com a sua mudança de nome, é possível que a mudança para Amarna foi também significou como um sinal de morte simbólica do faraó e do renascimento. Pode também ter coincidido com a morte de seu pai e do fim da co-regência. Além de construir uma nova capital, em honra de Aton, Aquenáton também supervisionou a construção de alguns dos templos mais maciço no antigo Egito, incluindo uma em Karnak e outra em Tebas, perto do antigo templo de Amon.

No 9º ano (1344/1342 a.C.), Aquenáton reforçou o regime atonista, declarando a Aton a ser não apenas o deus supremo, uma divindade única e universal, e proibindo a adoração de todos os outros, incluindo a veneração dos ídolos, mesmo particular nas casas das pessoas, uma arena de Estado egípcio não haviam tocado em termos religiosos. Atonismo foi então baseada no monoteísmo unitário estrito, a crença em um Deus único. Aton foi abordada por Aquenáton em orações, como o grande hino a Aton: "O único Deus, ao lado dele não existe nenhum".

Aquenáton fez o regicídio ritual do velho deus supremo Amon, e ordenou a desfiguração dos templos de Amon em todo Egito, e de todos os deuses antigos. A palavra "deuses" foi proscrita e inscrições foram encontradas no qual até mesmo hieróglifo da palavra "mãe" tenha sido retirada e re-escrito em sinais alfabéticos, porque tinha o mesmo som em egípcio antigo como o som do nome da deusa Mut de Tebas. Nome de Aton também está escrito de forma diferente após 9º ano, para enfatizar o radicalismo do novo regime. Já não é a Aton escrito usando o símbolo de um raio do disco solar, mas em vez disso, está escrito foneticamente.

amamede (António José Mamede de Albuquerque) dedica-se à Pintura desde 1975. 

Expôs pela pela primeira vêz, na "Exposição Artistas de Coimbra", organizada, em 1988, pelo XI Congresso Nacional de Ortopedia. 

Associado do Movimento Artístico de Coimbra desde 1988 começou a dar colaboração, a partir

de 1994, ao ensino de Anatomia Artística dirigido a alunos da ARCA-ETAC. Foi Professor Associado da Escola Universitária de Artes de Coimbra onde leccionou Anatomia Teórica (1º e 2º anos das diversas licenciaturas) até 2010.

Integrou o Conselho Cientifico da Escola Universitária de Artes de Coimbra até 2012. 

Foi  presidente do Movimento Artistico de Coimbra entre 2010-2012.

Organizou a Feira Internacional de Artes Plásticas de Coimbra (Fiarte/Art€uropa 2011) tendo integrado a Comissão de Honra da referida Feira Internacional.

 Está representado em várias colecções particulares, essencialmente entre coleccionadores de arte do meio universitário Português e Brasileiro. 

Esteve presente em várias exposições internacionais entre as quais se destacam:

    Exposition Courcouroise- Courcoury- França 16 a 20 de Abril de 2012

    Quinto Salão Europeu - Beffroi de Brugge  - 7 a 15 de Abril de 2012

    Segundo Salão Europeu em Itália - Palácio do Vicariato - Galeria de la   Pigna  - Roma - 17 a 21 de Setembro de 2013

    Sétimo Salão Europeu - Beffroi de Brugge  - 20 a 23 de Julho de 2013

    Salão Europeu na Àustria - Palácio dos Congressos - Innsbruck 15 a 19 de Outubro de 2013

Aderiu a vários projectos artísticos e está representado com pinturas e esculturas suas em diversos anuários de arte (Mitos de Arte 2008, Questionarte 2010, Anuário de Arte Galeria 2011, Arte Actual 201, Próspero International Art book em 2012 e Artifices em 2014. É actualmente Académico Correspondente da Federação Brasileira de Académicos das Ciências Letras e Artes (admitido em Janeiro de 2013 como confrade reconhecido como pintor e escultor).

Galardoado com o Pincel de Ouro, em 2013, pela Federação Brasileira de Académicos das Ciências Letras e Artes (FEBACLA).

Foi-lhe atribuido o Premio Mérito Personalidade 2013 pelo Instituto Comnène Palaiologos de Educação e Cultura (ICOPEC).

Aderiu em 2014 ao Conselho Internacional de Académicos das Ciências Letras e Artes (CONINTER).

Foi-lhe atribuido o Primeiro Prémio Internacional de Escultura na Segunda Exposição Internacional do Coninter (Estoril 2014) e uma primeira menção honrosa de escultura (grau platina) na Terceira Exposição Internacional do Coninter (Palácio dos Aciprestes – Fundação Marquês de Pombal - 2014)

Recebeu uma menção honrosa no 4º Concurso de Fotografia Digital da Ordem dos Médicos (Setúbal 2014).

Em 2015 foi-lhe atribuido o Primeiro Prémio Internacional de Escultura na Quinta Exposição Internacional do Coninter (Galeria dos Morgados da Pedricosa em Aveiro) e uma menção honrosa de escultura (grau ouro) na Sexta Exposição Internacional do Coninter (Galeria Guntilanis – Vila Praia de Acora)

Recebeu uma menção honrosa de fotografia (grau ouro) na Sexta Exposição Internacional do Coninter (Galeria Guntilanis – Vila Praia de Acora - 2015)

 

Tem vários videoclips publicados (entre os quais se destaca - Cântico Negro (https://youtu.be/U3ylVMFtXZE))