ALTANGRAM - PINTURA - ESCULTURA - FOTOGRAFIA

Contactos

Albuquerque e Lima Lda
Rua Gil Vicente 86A
3000/202 Coimbra

239703359/ 917766093

mamede.albuquerque@gmail.com

No Palácio dos Aciprestes

Creative 14

 

amamede (António José Mamede de Albuquerque) dedica-se à Pintura desde 1975. 
Expôs pela pela primeira vêz, na "Exposição Artistas de Coimbra", organizada, em 1988, pelo XI Congresso Nacional de Ortopedia. 
Associado do Movimento Artístico de Coimbra desde 1988 começou a dar colaboração, a partir de 1994, ao ensino de Anatomia Artística dirigido a alunos da ARCA-ETAC.
Foi Professor Associado da Escola Universitária de Artes de Coimbra onde leccionou Anatomia Teórica (1º e 2º anos das diversas licenciaturas) até 2010.
Integrou o Conselho Cientifico da Escola Universitária de Artes de Coimbra até 2012. 
Foi  presidente do Movimento Artistico de Coimbra entre 2010-2012.
Organizou a Feira Internacional de Artes Plásticas de Coimbra (Fiarte/Art€uropa 2011) tendo integrado a Comissão de Honra da referida Feira Internacional.
 Está representado em várias colecções particulares, essencialmente entre coleccionadores de arte do meio universitário Português e Brasileiro. 
Esteve presente em várias exposições internacionais entre as quais se destacam:
    Exposition Courcouroise- Courcoury- França 16 a 20 de Abril de 2012
    Quinto Salão Europeu - Beffroi de Brugge  - 7 a 15 de Abril de 2012
    Segundo Salão Europeu em Itália - Palácio do Vicariato - Galeria de la   Pigna  - Roma - 17 a 21 de Setembro de 2013
    Sétimo Salão Europeu - Beffroi de Brugge  - 20 a 23 de Julho de 2013
    Salão Europeu na Àustria - Palácio dos Congressos - Innsbruck 15 a 19 de Outubro de 2013
Aderiu a vários projectos artísticos e está representado com pinturas e esculturas suas em diversos anuários de arte (Mitos de Arte 2008, Questionarte 2010, Anuário de Arte Galeria 2011, Arte Actual 201, Próspero International Art Book em 2012 e Artifices em 2014.
É actualmente Académico Correspondente da Federação Brasileira de Académicos das Ciências Letras e Artes (admitido em Janeiro de 2013 como confrade reconhecido como pintor e escultor).
Galardoado com o Pincel de Ouro, em 2013, pela Federação Brasileira de Académicos das Ciências Letras e Artes (FEBACLA).
Foi-lhe atribuido o Premio Mérito Personalidade 2013 pelo Instituto Comnène Palaiologos de Educação e Cultura (ICOPEC).
Aderiu em 2014 ao Conselho Internacional de Académicos das Ciências Letras e Artes (CONINTER).
Foi-lhe atribuido o Primeiro Prémio Internacional de Escultura na Segunda Exposição Internacional do Coninter (Estoril 2014) e uma primeira menção honrosa (grau platina) escultura na Terceira Exposição Internacional do Coninter (Palácio dos Aciprestes – Fundação Marquês de Pombal - 2014)
Tem vários videoclips publicados (entre os quais se destaca - Cântico Negro (https://youtu.be/U3ylVMFtXZE))
 
Read more: https://www.mamede-albuquerque.com/about-us/
 

Harmonia

HARMONIA

A via da simplicidade

 

The path of simplicity
The simplicity and equilibrium stand, in a context where the sculptural structure develops on a combination of natural elements (trunks Ivy) with synthetic (polystyrene spheres). The contrast of materials adds a certain ambiguity to the work, combining the roughness of ivy from nature, with the near perfection of the spheres produced by man.
Ivy is a vital route, with inflections, changes of direction and a continuous search for new paths.
Three spheres linking its two branches, complete the sculptural structure.
The first sphere, more organic, is the need that humans have to break free of their physical tensions.
The second sphere, more intellectual and meditative, is the need that humans have to seek your sanity in an attempt to achieve serenity and inner quiet.
The third sphere reflects the balance that is struck embodied in relationship skills.
 

A simplicidade e o equilíbrio sobressaem, num contexto em que a estrutura escultórica se desenvolve numa conjugação de elementos naturais (troncos de hera) com sintéticos (esferas de poliestireno expandido). O contraste dos materiais confere uma certa ambiguidade à obra, combinando a rudeza da hera, proveniente da natureza, com a quase perfeição das esferas produzidas pelo homem.

A hera representa um percurso vital, com infexões, mudanças de direcção  e a busca incessante de novos caminhos.

Três esferas interligando os seus dois ramos, completam a estrutura escultórica.

A primeira esfera, mais orgânica, representa a necessidade que o ser humano tem de se libertar das suas tensões físicas.

A segunda esfera, mais intelectiva e meditativa, representa a necessidade que o ser humano tem de procurar o seu equilíbrio mental na tentativa de atingir serenidade e quietude interior.

A terceira esfera traduz o equilíbrio atingido que será consubstanciado na capacidade de relacionamento.

 

 

amamede (António José Mamede de Albuquerque) was born in Cape Verde in 1943. Formerly of dual nationality, in 1974 he chose Portuguese nationality.

A teacher in higher education with a PhD in Medicine, he has been devoted to Painting since 1975.

His work was exhibited for the first time at the “Exposição Artistas de Coimbra” [Coimbra Artists Exhibition] organised in 1988 by the XI Congresso Nacional de Ortopedia [XI National Orthopedics Congress]. An associate of the Movimento Artístico de Coimbra [Coimbra Artistic Movement] from 1988, in 1994 he began collaborating in the teaching of Artistic Anatomy to students of ARCA-ETAC.

He was Associate Professor at the Coimbra University College of Arts, where he taught Theoretical Anatomy (1st and 2nd year of the various licentiate’s degrees) until 2008.

He is represented in a number of private collections, mainly belonging to collectors in the Portuguese and Brazilian university environment.

 in Myths of Art - an anthology of contemporary Portuguese painters - Chiado Editora 2009

Sobre o autor

 

"A simplicidade não é a pobreza, é um despojar que nos deixa mais espaço para o espírito, para a consciência. É um estado de espírito que nos convida a apreciar, a saborear, a procurar a qualidade, é uma renúncia aos artefactos que pesam, incomodam e impedem de ir até ao fim das possibilidades.
Hoje em dia, dou-me conta que a via da simplicidade voluntária não constitui simplesmente o melhor caminho para a saúde, mas é sem dúvida a única esperança para o futuro da humanidade.
A via da simplicidade voluntária abre-se por um caminho pessoal de introspecção: trata-se de cada um descobrir quem é e identificar as respostas às suas verdadeiras necessidades, e quando falo de necessidades penso para além das necessidades físicas de base, nas necessidades sociais, afectivas e espirituais.
 O que é que me vai preencher plenamente em todas as minhas dimensões e capacidades? No nosso mundo de abundância, isto significa que temos de escolher; não ir mais na corrente da moda, da publicidade ou do olhar os outros, mas sim em função das necessidades autênticas.”

Serge Mongeau – A via da simplicidade voluntária

Na Galeria de Arte da Previdência Portuguesa em Coimbra - Exposição da AFAP - 4 de Outubro de 2014